Grande corte de recursos para o combate à violência contra a mulher causa discussões na Câmara

Redação IBEGESP

07 fevereiro 2020

Nenhum comentário

Casa Notícias

Grande corte de recursos para o combate à violência contra a mulher causa discussões na Câmara

Grande corte de recursos para o combate à violência contra a mulher causa discussões na Câmara

Recursos caíram 82% de 2015 a 2019

 

­

Na quarta-feira, 05/02, o presidente da República confirmou que não pretende reforçar o orçamento para o combate à violência contra a mulher. Em reação a isso, uma série de deputadas criticaram a medida em sessão na Câmara. O assunto – que foi debatido em uma reunião da comissão responsável por acompanhar casos de violência doméstica e feminicídio – é delicado, uma vez que pesquisas comprovam que sem recursos específicos as taxas de feminicídio, necessariamente, aumentam
­
gravidade da situação pode ser endossada pelos dados a seguir, coletados de pesquisas do Instituto Brasileiro de Educação e Estatística (IBGE) e de informações veiculadas pela BBC Internacional. No Brasil, 
­

·    A cada dois minutos, uma mulher recorre à Lei Maria da Penha;

·     Uma mulher é vítima de violência sexual a cada 9 minutos;

·    Três mulheres são assassinadas a cada 24 horas;

·    Apesar de possuírem maior escolaridade, mulheres recebem salários até 25% inferiores;

·     Mulheres ocupam menos de 38% dos cargos de gerência.

­

Entre 2015 e 2019 a queda do orçamento da Secretaria da Mulher do Governo Federal foi de mais de 82%: passou de R$119 milhões para R$5,3 milhões. Um dos programas mais prejudicados por este corte é o Casa da Mulher Brasileira, uma rede de atendimento a mulheres que foram violentadas que não recebeu qualquer forma de investimento no ano passado. 

­

A  queda do investimento para o combate a esta forma de violência veio acompanhada de um aumento dos episódios violentos, sendo que 68% a mais de casos vem sendo reportados neste ano. Por este motivo, a comissão externa que apura os crescentes números de violência contra a mulher exigirá respostas do Governo Federal e da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.
­
Fique de olho!
­
Fonte: Radar IBEGESP
Fonte Complementar: Câmara de Deputados
Open chat